REBOBINANDO 2016 – Miklos sai dos Titãs e prepara disco solo com Pupillo

Domingo, 18/12/2016, às 04:00, por Mauro Ferreira

REBOBINANDO 2016 – Miklos sai dos Titãs e prepara disco solo com Pupillo

REBOBINANDO 2016 – Feito na manhã de 11 de julho, o anúncio de que Paulo Miklos estava saindo pacificamente da banda Titãs foi uma das maiores surpresas do universo pop brasileiro ao longo de 2016. Até porque o grupo tinha recuperado o peso e o prestígio com a edição do álbum de músicas inéditas Nheengatu (2014). Contudo, Miklos continuou brilhando mesmo fora dos Titãs. Enquanto arquitetava o terceiro álbum solo, o primeiro desde 2001, o artista continuou em cena no teatro, protagonizando a peça Chet Baker – Apenas um sopro (2015 / 2016), na qual encarna o trompetista e cantor norte-americano de jazz Chesney Henry Baker Jr. (1929 – 1988) em momento literal e metaforicamente dolorido da vida do músico. A peça foi encenada em importantes cidades do Brasil ao longo do ano com sucesso de público e crítica.


Teatro à parte, tudo indica que a temporada do cantor, compositor e ator paulistano vai continuar vitoriosa em 2017 com a edição do álbum produzido por Pupillo (baterista da banda Nação Zumbi) sob a direção artística de Marcus Preto. A ideia é apresentar no disco um painel da vida urbana contemporânea através de dez músicas inéditas compostas por Miklos com diversos parceiros da cena musical do Brasil.


Quanto aos Titãs, na mesma manhã em que comunicou a saída de Miklos, o grupo anunciou a entrada do guitarrista Beto Lee e a adesão do baterista Mário Fabre, que já atuava como músico convidado desde a saída, em 2010, de Charles Gavin. Embora continue na estrada como quinteto (com somente três dos oito integrantes da formação clássica dos anos 1980), os Titãs entrarão em 2017 ainda com a necessidade de provar que vão superar a saída de Miklos e, mais uma vez, dar a volta por cima...

Categoria:Música

Deixe seu Comentário